ouvi a radio

sábado, 17 de fevereiro de 2018

40 Anos Canção NovaEVANGELIZAÇÃORebanhão: evento que iniciou carnaval na Canção Nova completa 38 anos SEGUNDA-FEIRA, 12 DE FEVEREIRO DE 2018, 11H53 MODIFICADO: SEGUNDA-FEIRA, 12 DE FEVEREIRO DE 2018, 13H30 Primeiro retiro musical de Carnaval foi idealizado pelo Monsenhor Jonas Abib e é parte da história dos 40 anos da Canção Nova Julia Beck Da redação Diácono Nelsinho Côrrea e Monsenhor Jonas Abib durante Rebanhão em Cruzeiro, SP /Foto: Reprodução CN “Uma opção de evangelização para quem gosta de cantar, dançar e se animar”. Com essa frase o diácono da Canção Nova, Nelsinho Côrrea, definiu o surgimento, em 1980, do encontro de Carnaval chamado Rebanhão. Idealizado pelo fundador da Comunidade Canção Nova, Monsenhor Jonas Abib — na época ainda padre —, o evento teve sua primeira edição na cidade de Cruzeiro, interior de São Paulo, e foi, de acordo com o diácono, um escândalo devido à sua estrutura musical e grande público. Segundo o diácono Nelsinho, o Rebanhão, além de uma novidade fantástica, é o pai e a mãe de todos os grandes eventos, já que inovou na forma estrutural dos retiros. “Hoje é comum os estádios lotados com shows católicos, mas nos anos 80 não havia nada disso. Então, o padre Jonas, quando começou o Rebanhão, atraiu duzentas pessoas, depois mil e foi enchendo, enchendo e enchendo”, contou. Padre Jonas pregando no Rebanhão, na cidade de Cruzeiro (SP)./ Foto: RCC Cruzeiro. A Canção Nova organizou cerca de dez Rebanhões na cidade de Cruzeiro, e após difundir o evento para o Estádio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, Monsenhor Jonas decidiu deixá-lo sob os cuidados da Renovação Carismática Católica (RCC). “Ele [Monsenhor Jonas] sentiu no coração que quando enchesse o estádio [do Maracanãzinho], estava na hora dele sair. Foram 10 anos. Ele [Monsenhor Jonas] inventou como se fazia e ensinou à RCC”, comentou o diácono. Além de um evento que gerou grande acréscimo à RCC, o Rebanhão foi um evento que contribuiu para o crescimento e amadurecimento da Comunidade Canção Nova, que neste ano de 2018 completou 40 anos de história. “Um dos frutos maiores para a comunidade foi nos anos 80 a transmissão pela rádio do Rebanhão. Foi um sucesso, teve uma audiência fantástica na época. Então quando começou o Rebanhão, começaram as transmissões dos encontros e foi quando começamos a aprender a transmitir, a entrevistar as pessoas”, recordou o diácono Nelsinho. Veja, na reportagem abaixo, mais detalhes sobre a história do carnaval na Canção Nova: Mas não foi apenas na edificação estrutural e profissionalizante da Comunidade que o Rebanhão contribuiu. O evento foi também o ponto de partida para o despertar da vocação de muitos missionários da Canção Nova. “Estive pela primeira vez no Rebanhão em 1983, no ano da minha conversão. Nessa época o Rebanhão estava começando a ficar grande e era realizado ainda na cidade Cruzeiro. Todo mundo que se convertia na época, ouvia falar de Canção Nova”, lembrou o missionário da Comunidade Canção Nova, Dunga. Leia mais .: Membros da RCC destacam influência de Padre Jonas no movimento “Esse encontro significou uma mudança radical na minha vida. Pelo Rebanhão em Cruzeiro, em 1983, que a minha vida deu uma virada completa, foi realmente a minha conversão, o meu grande momento de conversão, onde de maneira especial o diácono Nelsinho Côrrea e o padre Jonas realmente me evangelizaram. Foi um momento de conversão e de experiência com Deus muito profunda e que mudou completamente a minha vida”, enfatizou Dunga. 38 anos de história Após a implantação e o apoio por dez anos ao Rebanhão na cidade de Cruzeiro, em 1994 a Canção Nova iniciou os acampamentos na Chácara Santa Cruz, na sede da Comunidade em Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo. Assim como os acampamentos de Carnaval da Comunidade permanecem até os dias atuais, o Rebanhão da cidade de Cruzeiro também. “Fui lá várias vezes e é sempre um momento de muita saudade”, relembrou o diácono Nelsinho Côrrea. Cruzeirense, Henrique Israel, músico de 32 anos, é um dos jovens que assim como o missionário da Canção Nova, Dunga, atribui ao Rebanhão a sua conversão. Segundo o jovem, foi em 2012, quando conectou-se com Deus, que tomou a decisão de dedicar seus dias de Carnaval para auxiliar na evangelização de outros jovens. O músico Henrique durante show da banda “Prevalescentes” no Rebanhão 2017 /Foto: Arquivo Pessoal – Henrique Israel Segundo o diácono Nelsinho, após 38 anos de sua criação, o Rebanhão permanece com o mesmo formato. “Ele ainda é muito dinâmico com palestras, testemunho, música, oração, momentos de cura interior, de anúncio”, contou o diácono, que frisou a continuidade da participação de jovens da localidade neste encontro. “Nós vemos rapazes e moças lindas, que têm a opção de estar no mundão, mas que vêm para o Rebanhão por opção”, frisou. Henrique faz parte da banda católica “Prevalescentes”, que auxilia há seis anos nas atividades do Rebanhão. “Sempre Deus vai abrindo as portas para que Ele use da gente como meio de evangelização. Primeira vida a ser transformada, primeira vida a ser tocada é a nossa e, a partir do meu dom e do meu sim, tenho certeza que muitas outras pessoas podem ser alcançadas pela graça de Deus”, afirmou o jovem músico. A banda do cruzeirense tocou na abertura do encontro deste ano, 2018, que aconteceu no último sábado, 10, e também tocará na Missa de encerramento que acontecerá nesta terça-feira, 13

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Comunidade católica Canção Nova é reconhecida pelo Vaticano

Comunidade passa a ser a 2ª do país reconhecida internacionalmente.
Templo, em Cachoeira Paulista (SP), recebe 1 milhão de fiéis por ano.                                       A comunidade católica Canção Nova, em Cachoeira Paulista, foi reconhecida definitivamente pelo Pontifício Conselho para Leigos, orgão do Vaticano responsável pelos movimentos e novas comunidades católicas. A comunidade, que era reconhecida pela Diocese de Lorena desde 1995, passa a ser a segunda do país reconhecida internacionalmente.
A aprovação definitiva foi concendida no último dia 29, após seis anos de processo. A comunidade carismática, que recebe anualmente cerca de 1 milhão de fiéis, foi fundada em 1978 pelo Monsehor Jonas Abib. Além da Canção Nova, no Brasil, apenas o movimento Shalom é reconhecido pelo Vaticano.
De acordo com o líder Abib, a aprovação definitiva do estatuto importante porque é a manifestação da Igreja Católica atestando que a comunidade trabalha a serviço da evangelização católica. Atualmente, apenas no Vale do Paraíba, a Canção Nova conta com cerca de 1,3 mil missionários.
Evangelização
A Canção Nova conta com 22 casas de missão no Brasil, em oito capitais em todas regiões do país, além da sede em Cachoeira Paulista (SP) e unidades em Campos dos Goytacases (RJ), Cuiabá (MT), Gravatá (PE), Itabuna (BA), Lavrinhas (SP), Lorena (SP), Natal (RN), Paulínia (SP), Queluz (SP), São José do Rio Preto (SP), São José dos Campos (SP), São Paulo (SP), Vitória da Conquista (BA). 
Também conta com frentes de missão no exterior, em Assunção no Paraguai; Fátima em Portugal); Toulon na França; Roma  na Itália, Marietta nos Estados Unidos e Jerusalém em Israel.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Olá viajantes!
Hoje vamos fazer uma viagem a um dos lugares mais lindos do Brasil: a Chapada Diamantina, na Bahia. Com uma diversidade incrível de paisagens e inúmeras opções de passeios capaz de agradar desde aventureiros à turistas convencionais. O texto foi escrito pela jornalista, Lívia Cavalcanti, que faz parte do grupo de APNs (Aventureiros por Natureza), e traz tudo que você precisa saber sobre a Chapada, além de fotos de tirar o fôlego e que dão vontade de sair correndo para lá.
Boa viagem!  
Chapada Diamantina por Lívia Cavalcanti
Sabe aqueles lugares que você não pode deixar de ir durante sua vida? Pois é, a Chapada Diamantina, na Bahia é um deles.  Aliás, diga-se de passagem, o nosso Brasil é cheio desses lugares. Costumo dizer que só parto para expedições no exterior depois de ter conhecido, pelo menos em parte, o estilo de cada região do nosso país.
Mas, voltemos à Chapada Diamantina. O lugar permite todo perfil de visitante, desde os mais aventureiros – que é o meu caso – até os mais convencionais. É possível conhecer belezas naturais tanto fazendo pouco esforço físico, se deslocando mais de carro como também a pé, fazendo trilhas na “natureza selvagem”. Mas, aviso de antemão: a máxima “os lugares mais inacessíveis são os mais bonitos” é verdadeira. Portanto caso queira desfrutar desses locais, prepare-se fisicamente.
Mas, vamos ao que interessa:
Sobre a Chapada
A Chapada Diamantina fica localizada no estado da Bahia e é caracterizada por sua região cheia de montanhas, vales e rios. Em virtude dessa configuração é rica em cachoeiras e mirantes com visuais exuberantes. Desde 1985 a região é considerada Parque Nacional abrangendo uma área de 1.520 km² .
Onde ficar
Nesse entorno, as cidades de Andaraí, IbicoaraItaetéLençóisMucugê e Palmeiras são tidas como apoio para os turistas, com destaque incontestável à cidade de Lençóis. É lá onde há maior estrutura turística e por isso mesmo, é a que conta com maior movimentação. Mucugê também oferece alguma estrutura, semelhante à Lençóis, já as outras oferecem estadias mais “alternativas”. Tem pra todo gosto e bolso! Desde campings até hotéis mais luxuosos













sexta-feira, 14 de abril de 2017

RADIO NOVA 99 FM: Gruta da Mangabeira- Ituaçu Chapada Diamantina -B...

RADIO NOVA 99 FM: Gruta da Mangabeira- Ituaçu Chapada Diamantina -B...: Gruta da Mangabeira- Ituaçu Chapada Diamantina -Bahia Importante cenário do ecoturismo na Bahia, a Chapada Diamantina descortina o tu...

Gruta da Mangabeira- Ituaçu Chapada Diamantina -Bahia


Gruta da Mangabeira- Ituaçu Chapada Diamantina -Bahia Importante cenário do ecoturismo na Bahia, a Chapada Diamantina descortina o turismo religioso na região com a festa do Sagrado Coração de Jesus, na cidade de Ituaçu. De 25 de agosto a 3 de setembro, a cidade vai receber fiéis romeiros que vão até a Gruta da Mangabeira para fazer promessas e agradecer pelas graças alcançadas. Os festejos são realizados no distrito de Mangabeira, a 3,5 quilômetros da sede do município. A festa tem início no dia 25, com a realização de novenas ao Sagrado Coração de Jesus, padroeiro da cidade, mas o auge das comemorações se dá nos dias 2 e 3 de setembro, quando a Gruta da Mangabeira recebe as romarias vindas de vários pontos do país. No último dia é realizada uma procissão que sai da sede de Ituaçu com destino à gruta, em Mangabeira. No local será celebrada uma missa solene às 10 horas. Atrativos - A Gruta da Mangabeira é um dos lugares mais encantadores da cidade de Ituaçu. Com 3,2 quilômetros de extensão, o local foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1962. Com sistema de iluminação cênica, a gruta é visitada não apenas pelos fiéis que incrementam o turismo religioso na cidade, mas também por curiosos que buscam conhecer as 70 formações naturais que se assemelham a objetos, figuras sacras, animais e até passagens bíblicas. Quem busca aventura tem como opções a Cachoeira das Moendas, localizada num trecho do Riacho Cainana, a dois quilômetros da sede de Ituaçu. com aproximadamente 70 metros de altura, suas águas cristalinas formam lindas piscinas naturais, excelentes para banho, prática de rapel e SPA holistico. Nas trilhas próximas à cachoeira, os visitantes podem apreciar inscrições rupestres. Outros destinos para quem quer conhecer os recursos naturais da cidade são a Cachoeira do Rio Mato Grosso, que forma diversos poços, a exemplo do Poço das Moças, dos Olhos, da Amizade e do Ouro e a trilha do Morro do Ouro. Serviços Como chegar a Ituaçu, acesso a Ituaçu Bahia Partindo de Salvador pela BR-324, sentindo Feira de Santana, seguir pela BR-116, passando por Itatim e Milagres para ter acesso à BA-026. Depois de passar pelas cidades de Planaltino, Maracás e Contendas do Sincorá é só seguir por mais 80 quilômetros até entrada da BA- 142, para chegar a Ituaçu. Outra opção é trafegar pela BR-242 até a entrada da BA-142, passando por Andaraí e Barra da Estiva. A distância entre a cidade e a capital é de 495 quilômetros. Leia mais: http://www.ibicoara-chapada-diamantina.com/products/gruta-da-mangabeira-itua%C3%A7u-chapada-diamantina-bahia-brasil-guia-de-turismo-e-ecoturismo-belezas-naturais
Adicionar legenda
Os poços Encantado e Azul ficam nos municípios de Itaetê e Nova Redenção Os Poços Azul e Encantado, localizados nos municípios de Nova Redenção e Itaetê, na Chapada Diamantina, respectivamente, têm uma beleza impactante para os visitantes. Muitos passeios para esses locais partem de Lençóis e podem ser feitos com agências de turismo locais. Muitas dispõem de uma saída que contempla os dois poços mais famosos da região. São cerca de duas horas de viagem do Poço Encantado saindo de Lençóis entre estradas de terra e asfalto. É preciso descer uma escadaria para receber orientações de como seguir e os equipamentos de segurança como touca higiênica e capacete com lanterna. O mergulho no local não é permitido por questão de preservação. Mas isso não diminui a admiração da beleza do local. A profundidade do poço vai até os 60 metros. O fundo dele é totalmente visível e de forma tão límpida que as pessoas só percebem a água quando o guia local joga uma pedra pequena para que a água se movimente e seja possível enxergar a dimensão do poço. Um feixe de luz é visível no poço no período de abril a setembro, sendo que os melhores meses para visualizar o fenômeno são junho e julho, quando a posição do sol permite a penetração dos raios de luz com mais intensidade nas cavernas. Confira fotos do Poço Encantado Poço Azul Depois de mais uma hora viajando de carro, partindo de Lençóis, se chega ao Poço Azul. No local, uma espécie de clube com estrutura de bar, lanchonete, restaurante e banheiros. Os grupos de 15 a 20 pessoas vão se formando e descendo de acordo com a hora de chegada. A comida regional oferece, dentre outros sabores abóbora, carne de sol e até picadinho de palma, espécie de cacto, para os que gostam de provar comidas diferentes. O almoço já está incluso no passeio. Nesse poço o mergulho é autorizado, para satisfação dos turistas. Lá o feixe de luz tem duração de duas horas em média, que vai das 12h30 às 14h30. Para nadar no local é preciso colocar o colete salva-vidas e a máscara de snorkel. Os guias são muito receptíveis e fazem várias fotos enquanto os visitantes se banham naquela água cristalina e azul. Esse roteiro é um dos mais recomendados para pessoas de todas as idades, salvo pessoas com dificuldades de mobilidade em virtude das escadas, pois o veículo deixa os visitantes muito perto das atrações. Na alta temporada, os grupos ficam em média 20 minutos e na baixa o dobro. Quem tem dois dias de passeio em Lençóis pode aproveitar essa dica e fazer um roteiro básico, com visitas ao Morro do Pai Inácio e, na sequência, estes dois poços. Jornal da Chapada com informações do site Turisteiro. Confira fotos do Poço Azul